1

Temos em Arquivo

Uma área com muitas áreas: Wernicke

Demorei muito tempo para perceber que não me é possível questionar a relação entre filosofia da linguagem e perceção sem que entenda primeiro a relação da primeira com a área supra-temporal-parietal esquerda do cérebro, referida por Wernicke. 

Esqueci-me de questionar o fundamental, como se dá a organização de categoremas (noção desde Aristóteles que possibilita a enunciação ou colocação de um objeto numa determinada categoria) no caso de se verificar uma lesão na área de Wernicke (afasia de Wernicke)?

De um modo leigo, pensei que esta área organizava a informação, o conhecimento; tinha inclusive uma ficção quanto ao facto de um dia se poder aumentar a capacidade de armazenamento e organização de informação através de um implemento biónico - dada a existência de vários protótipos de próteses para o hipocampo (ex. trabalho em desenvolvimento pelo Theodore Berger). Contudo, esta declaração é ilusória e totalmente diferente de dizer que Wernicke é “área onde ocorre a compreensão da linguagem” (Jeffrey R. Binder (2015), “The Wernicke area. Modern evidence and a reinterpretation”, in Neurology 85).

PUB

Anuncie no Notícias do Nordeste! Contacte-nos!
Consulte a tabela de preços 

Esta declaração não impede, contudo, de perguntar se há algum papel na compreensão da linguagem proveniente da área de Wernicke, e ainda, de outro modo, questionar se esta tem funções para lá da sua funcionalidade anatómica?

O artigo anteriormente indicado (do Berger) sugere-nos que a produção de fala e compreensão são diferentes, ou seja, i) se uma pessoa apresentar uma afasia de compreensão, ou seja, uma alteração na formulação e compreensão da fala (afasia expressiva), não só não compreende o que é dito (do ponto de vista do processamento semântico), como não vai conseguir repetir o que dizemos - apesar de conseguir manter um fluxo de discursivo, ainda que incompreensível devido às parafasias fonémicas (ex. camisa --> tamisa) e/ou literais (ex. mesa --> porta), ou outros neologismos. Este facto permite-nos assumir que a área de Wernicke é responsável pela recuperação fonológica que, em última instância, permitirá qualquer tarefa de produção de fala (ex. repetição).

Todavia fica a questão ii) poderá, em detrimento do ponto i) assumir-se que a área de Wernicke é apenas responsável por agrupar as palavras corretamente em fonemas imediatamente antes de serem produzidas, de forma motora (pela boca), não tendo nada que ver com a compreensão das mesmas? E, assim sendo, a compreensão da fala não depende de uma outra rede fonética – de um processamento semântico que depende, em simultâneo, das áreas corticais de associação no cérebro?

Lia Raquel Neves (Cientista Social)
Conteúdo fornecido por Ciência na Imprensa Regional – Ciência Viva
Uma área com muitas áreas: Wernicke Reviewed by Notícias do Nordeste on segunda-feira, fevereiro 13, 2017 Rating: 5

Sem comentários:

O Notícias do Nordeste informa que os comentários são sempre da exclusiva responsabilidade dos seus autores, mesmo quando feitos sob a forma de anonimato. Este é um espaço público e de partilha de ideias e opiniões. Identifique-se com o seu nome verdadeiro, mas não forneça os seus dados pessoais como telefone ou morada, e por favor não utilize linguagem imprópria para veicular a sua opinião. Obrigado!
Informa-se ainda que todos os comentários ofensivos feitos sobre a forma de anonimato serão removidos pelos gestores do site.

Formulário de Contacto

Nome

Email *

Mensagem *

Com tecnologia do Blogger.